Dei uma sumida, balanço da vida... e Refluxo
Papo de Mãe

Dei uma sumida, balanço da vida… e Refluxo

18 de setembro de 2017 - Postado por:

Estamos bem, todos bem…

A vida é bem engraçada, quando tudo está indo muito bem e obrigada, vem algo e muda todo o rumo da história.

Agora que passou esse turbilhão, estou por aqui, sacudindo a poeira e dando uma renovada nos assuntos do Manga com Papinha.

Vamos falar sobre filhos?

Nesse período o gordinho deu um pequeno susto em nós.

Vou explicar o que aconteceu, já que muitas mães passam por esse mesmo problema e dá um desespero danado, já que ninguém gosta de ver um filho sofrendo.

Desde as primeiras semanas de vida do Otto, ele apresentou o famoso refluxo.

Apesar do meu pavor, ele sempre se desenvolveu bem e ganhava 1 quilo por mês por causa da livre demanda.

Porque do pavor?

Gente, eu sofro de refluxo por causa de uma gastrite e doe bastante…

Imagina um bebê pequeno passando por isso?

Até que a médica que passou a atendê-lo explicou direitinho o que estava acontecendo e nos tranquilizou bastante.

Quando um bebê nasce, o corpo não está 100% pronto como deveria estar, alguns orgãos ainda estão amadurecendo e o aparelho digestivo é um deles.

O refluxo acontece porque a válvula (o esfíncter do esôfago) fica mais tempo relaxada, ou as vezes nem fecha, facilitando o retorno do leite que foi ingerido em uma mamada.

Meu filho não chegava a jogar todo o leite para fora, ás vezes, voltava uma quantidade considerável.

Para evitar esses episódios de refluxo, eu dava mama com ele sentadinho e depois, deixava meu bebê em pé no colo por 30 minutos, batendo levemente nas suas costas para arrotar.

Assim eliminando o ar ingerido e evitando o mal-estar.

Outro cuidado é trocar as fraldas antes das mamadas ou uma hora depois, já que movimentar o bebê com a barriga cheia, pode causar refluxo.

Também inclinamos a cabeceira do berço, elevando uma parte do colchão entre 30° e 45°.

Quando ele completou 3 meses, os refluxos sumiram (as vezes sai um nada de leite), mesmo assim, mantivemos todos os cuidados citados acima.

 

Dei uma sumida, balanço da vida... e Refluxo

 

Agora vamos a história de terror… do refluxo!

Umas semanas antes do Otto completar 5 meses, ele acordou sorrindo, mamou um pouco e arrotou.

Coloquei na cadeira de descanso, ele começou a reclamar e a vomitar.

Sim, era vomito, daqueles que você faz força quando está passando mal.

Tirei ele da cadeira, virei de lado e continuou vomitando. Chegou a ficar bem molinho nos meus braços como fosse desmaiar.

Quando o mal estar passou, depois de 5 minutos voltou a passar mal novamente e depois ficou normal.

Fui ao pronto atendimento e ele estava bem, não desidratou, estava alerta e sorridente.

O médico pediu para retornar caso ele volte a ter essa crise, para eles avaliarem, que poderia ser uma simples virose ou algo mais sério.

Bem, passou alguns dias e o Otto estava normal, até que um dia o meu marido foi fazer alguns trabalhos e eu fiquei sozinha com meu bebê.

Novamente, depois de acordar, ele começou a vomitar muito, ficando super molinho no meu colo.

Liguei para o Papai Vip e corremos para Pronto de Atendimento, lá na sala de espera ele vomitou mais 3 vezes, quando foi atendido já estava bem.

Ficamos 12 horas em observação, ele chegou a vomitar mais uma vez e teve uma hora que chorou de dor.

Ele foi medicado e acabou dormindo.

O restante da internação, ele ficava brincando e conversando com todo mundo, era a sensação da sala de observação.

Saímos de hospital sem resposta e já que o Otto tinha consulta no outro dia com a médica dele, então estava mais tranquila.

No dia da consulta, ela pediu para observamos mais uma semana, antes de passar o pequeno para mais exames com gastro.

Até que fui conversar com a minha amiga Paty – a tia nutricionista do pequeno, e fazendo mil perguntas, por incrível que pareça ela descobriu o que estava acontecendo.

Um dos marcos de crescimento é o bebê se movimentar para os lados e rolar.

Quando o Otto completou 4 meses de vida, ele começou a fazer essas proezas e com o tempo, ele virava para os lados dormindo.

Ele acabou acostumando a dormir virado para o lado direito e o que acontece: o ácidos estomacais acabavam fluindo para o esôfago e irritando tudo pela frente.

Por isso que ele acordava vomitando, com direito a muito choro e o corpo ficar molinho de dor e cansaço.

Passamos a acordar mais durante a noite para virá-lo no berço, de barriga para cima e esses episódios de vômitos sumiram completamente.

Acabei informando a minha médica sobre essa nova postura e ela acabou descartando outras hipóteses de doenças.

Então fica a dica para mamães que sofreram com refluxo, afinal isso também pode acontecer com vocês.

De todo o coração, espero que não aconteça com ninguém 🙁

 

Um resumo de como foi a minha primeira gravidez...

 

Aproveitem e siga o instagram Manga com Papinha, todo dia tem novidades por lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *